Você gosta de doce de abóbora? Participe do concurso.

Ganha um doce de abóbora quem responder a seguinte pergunta:

Que razões teria o Brasil para criar uma Embaixada Brasileira em Funafuti?

Antes que você responda, vou dar algumas informações para ajudar o teu raciocínio.

Funafuti é a capital oficial de Tuvalu (veja a foto abaixo) que, por sua vez, é um grupo de atóis coralinos na Polinésia, oceano pacífico, a 4.000 Km ao nordeste da Austrália. Seu ponto mais alto é de 5 metros acima do nível do mar e trata-se de uma monarquia constitucional que faz parte da Commonwealth, ou seja, S.M. Elizabeth II é a sua chefe de Estado.

Lá, tem um Governador Geral, mas quem manda mesmo é o primeiro ministro escolhido pelo Parlamento composto de 15 membros.

A população de Tuvalu (os tuvaluanos) atingiu em 2009, 12.273 habitantes portanto, é uma população que caberia todinha em qualquer estádio de futebol de qualquer time brasileiro que esteja disputando o campeonato brasileiro aliás, nem do campeonato brasileiro precisaria ser.

Quase todos os habitantes são descendentes de samoanos, os missionários ingleses que, no século XIV chegaram até lá e acabaram com a religião local sendo que, hoje, 87% da população é protestante, 6% não tem religião e 0,6% são ateus.

A economia de Tuvalu (PIB 14,8 milhões de dólares) é baseada na exportação de COPRA (fibra do coco seco) e PANDARA ou PANDANO (espécie de palmeira de folhas e frutos comestíveis). Uma de suas fontes de renda é a venda de sua bandeira para navios estrangeiros.

Não existe estação de TV em Tuvalu. Há somente um jornal impresso que circula de 15 em 15 dias, cuja tiragem é de 500 exemplares. Como se pode ver então, Tuvalu, é um "micropais" (talvez um PDA pais) controlado pela Inglaterra.

Pois bem, pelo decreto 7.197 de 02 de junho de 2010 o Brasil criou neste país uma embaixada, cumulativa com a embaixada em Wellington que, para quem não sabe, é a Capital da nova Zelândia com quem o Brasil tem negócios pífios, face este país também fazer parte da Commonwealth.

Saber com que finalidade o Brasil criou esta embaixada lá e gastou o valor de R$ 12.000.000,00 (praticamente a metade do PIB Tuvalense), mais despesas de manutenção com tudo que deverá ser mandado para lá deixou muitos aqui assombrados e perplexos.

É inacreditável mas, é verdade, basta ver o decreto assinado pelo presidente brasileiro e por um tal de Antonio de Aguiar Patriota (sugestivo o sobrenome do homem).

Dizem que este não é um fato isolado. Parece que o Brasil abriu ou está em projeto a abertura de várias embaixadas do mesmo naipe, com que finalidade não se sabe embora custe bastante caro, principalmente com pessoal que só vai para estes lugares quando regiamente pago. É claro que isto para o nosso país não é problema porque estamos com o caixa alto e muito bem de situação mas, se não tivermos, basta jogar para a dívida interna ou, se ainda não der, basta criar mais uns impostinhos ou taxinhas, que os palhaços dos habitantes pagam, sem problema.

Quem arrisca um palpite sobre este assunto? Não vale dizer que é para o bem do Brasil porque isto sabemos que não é. Deve ser para outra coisa. O que será?

Quem aqui gosta de doce de abóbora? Aqueles de boteco, que ficam dentro de vidros e que tem um cascãozinho duro por fora mas, por dentro, são molinhos e deliciosos.

Não vale dizer também que a coisa é apócrifa (isto está na moda) porque é algo que realmente existe e é recente como informa a data do projeto.

E dai, o pessoal do apócrifo vai nesta?


2 Responses so far.

  1. Eu não tenho dúvida que é para "premiar" alguns dos "protegidos" fingindo que estão "trabalhando duro" para o benefício do Brasil.

    Um abraço.

    Drauzio Milagres

  2. doce de boteco???
    no nosso boteco não vende disso, mas eles que se cuidem. isso tá me cheirando a fome zero. afinal, a cidade simbolo do projeto hipócrita do lula - hipócrita, e não, apócrifa - tá lá na maior penúria.

    acertei???
    manda o docinho daqui uns tempos pq eu to de regime ...

    beijo.